twitter facebook instagram

 

Parc de La Villette – Bernard Tschumi

O Parc de La Villette é um parque local izado em Paris, no 19º arrondissement. Projetado por Bernard Tschumi em 1982, ele é um ícone do desconstrutivismo arquitetônico e abriga, em 25 hectares, o Cité des Sciences et de l’Industrie(Museu de Tecncologia e Ciência) e La Géode(Museu Cidade da Música).

O terreno, no princípio, abrigava um matadouro, mas após sua transferência, fez-se um concurso para eleger o melhor projeto arquitetônico para o local já abandonado. A idéia principal era criar um parque que representasse o século XXI, e Bernard Tschumi foi quem venceu com sua proposta pitoresca.

canal-Parc-de-la-Villette-c-PE.-Rastoin

Na mistura do natural e artificial, o conceito da obra teve por base a Teoria do Desconstrutivismo de Jacques Derrida que surgiu com a “Origem da Geometria” e tem como fundamento a desmontagem/decomposição dos elementos. A desmontagem dos elementos visa o conhecimento já que o arquiteto afirma “a arquitetura não é o conhecimento da forma, mas sim uma forma de conhecimento.”

No parque projetado pelo suíço Tschumi, podemos notar a presença de “pontos” vermelhos; os chamados Follies, os elementos mais importantes do projeto. São 35 obras dispostas pelo parque formando uma malha geométrica, postos em intersecções de cubos imaginários de 10x10m e que servem, a princípio, como pontos de referências aos turistas.

 

tumblr_llny21W6DY1qe0nlvo1_1280

 

Segundo o Arquiteto, estes pontos de referência foram projetados para criarem um vácuo desconstrutivista que possa abolir toda e qualquer relação do passado do terreno com sua forma atual para que os seus usuários vivenciem, sem precedentes, uma experiência com o parque. Os follies são utilizados para recreação e alguns, atualmente, estão sendo modificados para receberem restaurantes.image

img_3559

Apesar de delicado, é perceptível traços do Niilismo em La Villette de Bernard. O Niilismo tem como base a desvinculação com os conceitos adquiridos para que se chegue a um conhecimento pela indução sem influências externas, e as obras de Bernard têm a essência desse caráter. Como exemplo, podemos relacionar os follies com a indução às descobertas e a desvinculação proposital, mesmo que parcial, com o passado.

Os follies são atrativos que levam as pessoas a fazerem uso de toda a área e, a partir desse artifício, possam entender o parque como um local de descobertas pessoais, atividade e interação dentro dos princípios da organização de Tschumi. Além disso, outra intenção alcançada pelo Arquiteto foi a máxima do movimento. Tendo a arquitetura como resultado da colisão acarretada pela velocidade, o Parc de La Villette exibe bem o conceito de movimento buscando materializar-se nas experiências do parque.

Fontes:

Montaner, Josep Maria. “As formas do século XX”, Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2009

Bernard Tschumi, Cinégramme folie: le Parc de la Villette (Princeton Architectural Press, 1987)

Padovano, Bruno Roberto. “Bernard Tschmi”, Out 2001. Diponível em <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/02.008/3344> Acesso em Nov 2011

Kroll, Andrew. “Parc de La Villette/Bernard Tschumi”, Jan 2011. Disponível em <http://www.archdaily.com/92321/ad-classics-parc-de-la-villette-bernard-tschumi/> Acesso em Nov 2011

 

Por Tainá Silva


 

Quer complementar ou criticar este texto? Envie seu artigo para o Arquipélago.

 


 



Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *