twitter facebook instagram

favelasprojetadas2-01

Umas das coisas bacanas em habitação é que quase tudo já foi feito e podemos aprender muito com as experiências dos outros. A Inglaterra possui uma longa tradição de colocar em pratica idéias de vanguarda na área da arquitetura, o que não deixa de ser interessante em um país com enorme patrimônio histórico. A rápida industrialização do país criou a necessidade de se prover habitação de qualidade para um grande número de trabalhadores.

PARK HILL

Park Hill era uma região muito degradada, com inúmeras favelas sem sequer sistema de esgoto adequado. Sim, meus caros, existiam muitas favelas (slums) na Inglaterra dos anos 30. No final da segunda guerra mundial em 1945 dois jovens arquitetos (Jack Lynn e Ivor Smith) que trabalhavam para a prefeitura (na Inglaterra são arquitetos da prefeitura que desenvolvem os projetos de habitação social) começaram a desenvolver o complexo de apartamentos de Park Hill, fortemente inspirados na Unidade de Habitação de Corbusier. As idéias de Corbu atingiram aqui uma escala inimaginável, curiosamente sem nenhuma participação do francês.

Park-Hill-Brutalism_dezeen_4_1000

O complexo é gigantesco, uma mini cidade com vários blocos de diferentes andares. Alguns aspectos foram totalmente inovadores na época, tais como os apartamentos mais amplos e as famosas “Avenidas Elevadas” (Streets in the Sky) que eram as galerias de acesso muito largas e que funcionavam quase que como ruas, espaços semi públicos elevados. Pequenos veículos elétricos podiam circular nestas avenidas elevadas (entregas de leite e outros) e crianças podiam brincar sem precisar descer para a rua ou as pessoas podiam percorrer grandes distâncias dentro dos blocos em dias de chuva ou frio. Ao realocar as famílias, os arquitetos tiveram a preocupação em manter os vizinhos próximos e até mesmo o nome das antigas ruas foram mantidos. Uma enorme quantidade de pequenos comércios e serviços foram criados nos andares inferiores.

PARK HILL

O gigantesco conjunto no entanto sofreu com a falta de manutenção (um problema recorrente em habitação social) agravado pelo declínio da indústria na região. Nos anos 80 boa parte dos blocos encontravam-se abandonados. Atualmente Park Hill passou por uma grande renovação. Seus compradores concluíram que seria caro demais demolir tudo e aproveitaram a forte estrutura em concreto deste sonho utópico brutalista, para criar habitações contemporâneas e com todo o conforto das novas tecnologias e materiais.

 

 

Por Octavio Queiroz – Arquiteto – São Paulo

 


 

Quer complementar ou criticar este texto? Envie seu artigo para o Arquipélago.

 


 

 



Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *