twitter facebook instagram

favelasprojetadas2

Projeto: Biblioteca Comunitária
Curso de Arquitetura e Urbanismo – 2º período – Puc PR 2014
Alunos: Evelin Nunes Rezler e Vinicius Herbert Adam
Localização: Curitiba, PR
Área: 200 m² para a edificação térrea mais mezanino de até 50%

 

O projeto teve como objetivo a criação de uma biblioteca de bairro, adequando-a as demandas do espaço e temática, com enfoque cultural, capaz de reunir públicos diversos, favorecendo a apropriação da biblioteca pelo público-alvo. Existe uma certa complexidade, pois iniciamos o projeto com base nas problemáticas dos faróis do saber.

Há inúmeros detalhes pensados, como o controle climático, a conservação do acervo, o cadastramento adequado e a disposição de espaços para momentos culturais, depósito, copa e banheiros na linha de visão dos funcionários, afinal a biblioteca é pública e a má gestão dos espaços podem gerar problemas; A biblioteca deve constituir um gesto arquitetônico marcado tanto pela pela linguagem contemporânea e versátil, causando interação com o seu entorno e um impacto visual capaz de despertar o interesse da comunidade. O formato curvo de uma folha em um livro aberto foi usado para conceitualizar este projeto, criando uma volumetria relacionada ao tema. A ideia é causar um impacto visual e sensação de conforto e funcionalidade, mostrando que uma biblioteca em um local físico ainda pode oferecer uma boa experiência em uma era em que os sentidos humanos teem sido anestesiados pelo mundo virtual.

A edificação possui fechamento de vidro favorecendo a visibilidade e iluminação natural em determinados pontos. Na fachada Norte implementamos o brise para controlar a luz solar, evitando maiores danos ao acervo e aquecimento do local. Já na fachada Leste, fizemos o uso do paisagismo, fazendo com que as árvores sirvam como um escudo contra os raios solares. A biblioteca dispõe de um sistema de exaustão de ar quente, através de correntes de ar que passam por uma fenda na edificação.

O edifício possui duas entradas para facilitar o acesso, com duas rampas que levam as pessoas do nível da rua para onde estão as coleções. Os diferentes acessos à biblioteca não interferem no cadastramento dos usuários e livros, uma vez que o acervo se encontra em um espaço fechado, impedindo que os livros sejam levados pelos usuários sem o devido cadastramento.

Associado ao espaço do acervo, disponibilizamos um ambiente descontraído e confortável para as crianças, com livros infantis, jogos, e para a “hora do conto”, momento em que as pessoas se reúnem para desfrutar de uma boa história, visando um ambiente cultural e divertido.

Sabemos que a palavra silêncio está sendo abolida das bibliotecas, mesmo assim, fizemos o uso de materiais para a absorção acústica no ambiente, para que obtenhamos determinado equilíbrio. Afinal, disponibilizamos uma área de estudos e pesquisa no piso superior. Este ambiente pode ser acessado tanto pela escada, quanto pelo elevador. O mezanino possui mesas e computadores com acesso à internet, favorecendo a distribuição de informações no bairro e demais regiões.

Visto que o projeto possui uma maior dimensão quando comparada aos faróis do saber e consequentemente um maior fluxo de pessoas, encontramos a oportunidade de ampliar alguns espaços para o conforto social como, os banheiros feminino, masculino e para portadores de necessidades especiais. Reservamos também locais exclusivos para os funcionários, assim como a copa, depósito e administração. Visando melhorias, privacidade e organização do ambiente.

O usuário também contará com um local de contemplação fora do edifício, uma área verde com muitas flores, aromas, árvores e sombras, perfeito para quem quiser um momento de descanso, lendo um bom livro.

 


 

Quer complementar ou criticar este texto? Envie seu artigo para o Arquipélago.

 




Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *